Síndrome de Despersonalização e Desrealização

Olá. Estou disponibilizando parte de um texto que encontrei e que aborda o tema: “Trastorno de despersonalização e Desrealização”. Por se tratar de um depoimento de quem teve a síndrome, o reproduzi na íntegra. Espero poder ajudá-lo com esse material.

A Fonte se encontra no final do artigo.


 

Desrealizacao-400x267

Um pouco de explicação e algumas dicas (Lucas Montenegro)

Eu espero sinceramente que eu possa ajudar pelo menos um pouco vocês a superarem essa parada complicada, e eu digo um pouco porque muita coisa pode ajudar, mas é sempre a gente que tem que dar os passos, e o que vou dizer é da minha experiência, pode ser que não se aplique a todos.

Eu tenho 21 anos, a DR se manifestou quando eu tava com 19, mas eu analisei depois e vi que eu já sentia sintomas de ansiedade desde os 16, por aí. Uma coisa que vocês tem que se ligar é que a DR/DP não são síndromes ou transtornos por si só, mas sim sintomas de uma ansiedade muito grande, o famoso transtorno de ansiedade. São sintomas horríveis, é verdade, mas ainda sim são sintomas, mesmo que se manifestem antes de qualquer outra coisa. Falo isso pra que se saiba que o inimigo a ser combatido não é a DR, mas sim a ansiedade. Pode ser que você nunca tenha se percebido uma pessoa ansiosa, e aí do nada você tem uma crise com DR/DP. Foi o que aconteceu comigo. Inclusive, geralmente nesses casos é quando a DR é pior, pois se você já convive com crises de ansiedade/pânico/depressão há um tempo, e esse sintoma se manifesta, você vai se assustar bastante, mas pode tratar como mais um sintoma estranho. Já quem dissocia primeiro geralmente acha que está ficando louco, entra em desespero, essas coisas. Também foi o que aconteceu comigo rs

A DR/DP se manifesta como uma tentativa quase desesperada do seu cérebro de te proteger. Já ouviram falar de gente que sente tanta dor que desmaia, ou coisa parecida? Isso é o cérebro protegendo elas de uma dor absurda, que elas não conseguiriam suportar. Como medida drástica ele simplesmente desliga. É mais ou menos a mesma coisa, só que não tão radical, eu diria. Seu cérebro está o tempo todo ligado no máximo, porque você não pára de pensar. Sobre o passado, presente, futuro, planos, medos, futuro, erros, metas, dinheiro, sexo, futuro, saúde, trabalho e seja lá mais o que. É simplesmente preocupação demais pra ele aguentar. Pra completar, provavelmente uma pessoa ansiosa(você) se encontra num estado permanente de insatisfação com as coisas como elas estão. Estão sempre querendo melhorar, sempre planejando alguma coisa, sempre acham que dá pra fazer mais ou/e melhor. O que vai ser é sempre melhor do que o que é. Soma o excesso de preocupação com essa insatisfação eterna com o momento presente, e pronto. Toda ansiedade representa, em diferentes instâncias e formas, uma rejeição ao momento presente. Seu cérebro pra te proteger começa a te mandar a mensagem de que essa realidade não existe de verdade, afinal você aparentemente só colhe sofrimento e preocupação dela. Nossa mente é bem intencionada, mas tem métodos estranhos, hehe. Imagine que sua mente não quer que você sofra, então ela tenta te convencer de que é tudo mentirinha. Só que você sabe que não é. Você não ficou louco, uhul! Um louco (mesmo um que saiba que é louco) não consegue distinguir quando está desconectado da realidade, mas alguém normal, mesmo no meio de uma crise, não se desliga da realidade. Pode até duvidar dela, mas não perde a consciência dela. As vezes o desespero vem justamente por saber que aquilo é real, mas sentir como se não fosse.

Eu posso dar dicas de como melhorar, dizer o que comigo deu certo, o que faz sentido segundo o que estudei, e vou fazer isso, mas é bom ter em mente que cada um é diferente e tem suas próprias questões. Acho que vale arriscar, afinal continuar nessa situação ruim é que não dá né. Outra coisa que digo também é que não acho que haja uma “cura” no sentido de nunca mais sentir. Eu levo uma vida normal, não sofro com DR tem bastante tempo, mas de vez em quando eu meio que “sinto” a DR próxima, afinal ela é um sintoma de ansiedade, e ansiedade sempre teremos de vez em quando, e natural.

Cada vez que você estiver mal você tem que tentar quebrar essa cadeia.O nosso cérebro tende a repetir comportamentos, e os pensamentos podem ser considerados comportamentos nesse sentido. Ou seja, você tende a continuar agindo/pensando do jeito como você já vem agindo/pensando há um tempo. Então se sua mente está acostumada a pensamentos negativos de medo ou de sei lá mais o que, a tendência é que você continue tendo esses pensamentos, a menos que você faça um grande esforço consciente para mudar. Por isso é importante você começar a quebrar a cadeia de pensamentos ansiosos/obsessivos, pois isso só faz mal.

Uma dica muito boa que encontrei e que me ajudou bastante foi: desvie sua mente. Pratique alguma atividade que exija 100% da sua concentração para ser executada. Não precisa ser necessariamente algo que demanda toda sua atenção, mas sim algo a que você consegue dedicar toda a sua atenção de forma mais ou menos natural. Eu explico: eu gosto muito de ler e tocar violão. Mas quando eu estava mal, com crises de DR, eu não conseguia me concentrar direito nessas coisas, apesar de serem coisas que eu gosto e que normalmente exigem toda a minha atenção. Por outro lado, uma atividade que eu também gosto, mas de certa forma bem menos que as outras e nem é muito presente na minha vida, era uma das que me fazia me desligar de todo o resto e me concentrar só nela: desenhar. Eu nessa época fiz vários desenhos, fiz recortes e colagens, um monte de coisas assim. Desenhar relaxava muito minha mente, por qual motivo eu não sei, mas fazia; era totalmente terapêutico.

Uma outra coisa muito boa foi a meditação. Muita gente acha que meditar é relaxar, mas meditar é justo o contrário, é um estado de concentração profunda; a diferença é que é uma concentração focada somente numa coisa. Seja na sua própria respiração, seja num mantra ou em alguma outra coisa. Se você acredita em Deus ou em religião, a meditação também pode ter um sentido religioso, e uma outra coisa que me ajudou muito (MUITO MESMO) foi a religião. Eu sempre acreditei em Deus e fui educado no catolicismo, mas nunca realmente fui praticante. Quando problemas grandes assim abatem a gente, nossa tendência pode ser acabar recorrendo Deus, e não só isso aconteceu comigo, mas foi algo muito bom. Sei que muitos têm ideias pre-concebidas quando o tema é esse, então não vou me estender, mas caso estejam dispostos , os encorajo seriamente a buscar Deus ou a religião com que vocês se identificam e segui-la de forma mais presente.

Mais dicas: na psicologia nós dizemos que o ser humano é um ser biopsicossocial, ou seja, tem seu lado biológico, psicológico e social, e todos estão ligados e afetam um ao outro. Logo, os problemas psicológicos também afetam os outros dois lados da nossa vida, e se vocês analisarem a si mesmos com certeza vão concordar. Falei isso pra mandar minha dica agora: não vacilem com o lado biológico. Se o se organismo estiver prejudicado, não tem jeito, vai prejudicar o resto junto. Boa alimentação, horas de sonos suficiente, não dar mole pra doenças facilmente evitáveis, tipo gripe… Ficar com seu corpo 100% é um ótimo passo pra se sentir melhor, e é relativamente mais fácil do que “consertar” os outros dois lados, apesar de que tudo vai influir no todo. Privação de sono, por exemplo, é um lance terrível pra quem tem esses problemas. Uma alimentação boa vai te deixar se sentindo melhor. Tente dormir de noite e acordar de manhã também, dormir muito tarde e acordar muito tarde não faz o mesmo efeito que um sono de noite, mesmo que se durma horas suficientes. O solzinho da manhã faz um bem tremendo também.

Uma outra dica também que pode ser difícil pra alguns, e posso inclusive ser criticado, mas aceito isso: pare de pesquisar. Pare de entrar nas comunidades, nos grupos, de ler os artigos, de ler deoimentos. Nem digo pra abolir radicalmente, mas deixe isso pra lá um pouco conforme for sentindo que consegue. Não perca contato com a galera, porque essa ajuda mútua é algo maravilhoso, mas sei lá, tentem falar de outra coisa de vez em quando.

E além do mais, estando o tempo todo em contato com isso, você não deixa isso morrer na sua cabeça. Muitas vezes vocês talvez nem sintam a DR, mas só lembrar de como era, recordar as sensações ruins e os pensamentos que se tinha já é terrível.

Sempre force um pouquinho. Se você sempre tem uma crise de DR numa situação específica, vá lentamente e aos poucos tentando passar por essa situação quando se sentir mais confiante; nunca se acostume a abaixar a cabeça pro medo ou pra tristeza.

 Gatilhos de despersonalização

– O estresse constante e persistente
– Certos medicamentos
– Álcool
– evento traumático, Choque
– Problemas não resolvidos
– raiva não resolvida
– Drogas Recreativas

Resolução de despersonalização devido ao uso de maconha

Resolução de esta sensação não é difícil. Ele é baseado em uma dupla abordagem:

(1) Retreinar o Brain- Aprender a refrescar a mente cansada.Pensando de forma mais produtiva. Através de uma modificação comportamental é capaz de domar uma mente que é hiperativa e improdutivo.

(2) Terapia Alimentar – Aprender a usar os alimentos corretos, um já tem em sua própria cozinha , para trabalhar para você e não contra você. Aumentar os níveis de serotonina no cérebro naturalmente e manter os níveis de açúcar no sangue em equilíbrio do corpo para criar uma mente muito menos reactivo e do corpo. Os alimentos corretos irá acelerar a recuperação quando usado em conjunto com as técnicas adequadas de modificação comportamental.

Esta dupla abordagem é tudo o que é necessário para superar sentimentos de despersonalização, criados por uso de maconha, ou qualquer outro gatilho. Não exige um processo longo ou retirado de todo. Ele requer que um processo específico a seguir, que conduz a um alívio rápido e recuperação permanente.

Ronnie Freedman, Ph.D.
Ansiedade Busters, Inc.
Despersonalização Treatment.com

Parte deste texto foi extraído do site despersonalizacao.com.br. Clique aqui para acessar o conteúdo completo.